Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Temos de ser “mais competentes” enquanto pessoas
Imprimir Partilhar por email
Certamente que me dirá de imediato que faz o seu melhor em termos profissionais e que se preocupa diariamente em mostrar a imagem que esperam de si.
 
Esse é um tipo de competência que se afasta daquilo que pretendo dizer com esta afirmação de que precisamos de ser mais competentes enquanto pessoas.
 
Refiro-me a uma competência pessoal que ultrapassa aquilo que os outros esperam de nós e que se projeta dentro do nosso “eu” interior. Falo da consciência das suas capacidades enquanto ser humano que o distinguem e que o tornam Pessoa. Falo na capacidade que tem de pensar em liberdade e de encontrar os seus próprios recursos para ser mais assumido e feliz.
 
Refiro-me também ao nosso potencial, mas que temos medo de colocar em evidência, como sendo a inteligência ao serviço do que o nosso “eu” nos pede; a capacidade de descodificarmos o que sentimos dentro de nós.
 
Falo acerca da capacidade de se posicionar neste tempo presente e de analisar a sua vida e aquilo que lhe faz ou não sentido. Refiro-me à capacidade de olhar para si sem máscaras e de ver a sua “verdade” interior. Estou a referir-me também à sua tomada de posição face à sua própria vida e ao seu relacionamento. De forma alguma refiro-me ao “faz de conta” em que muitas pessoas vivem para evitarem ver a realidade. Faço exatamente o desafio oposto, peço que olhe claramente para o que tem e para aquilo que queria ter. Depois, que pondere como é que consegue chegar ao que queria e o que o impede.
 
Quero dizer com isto que, há uma parte de nós que vive em função do que a sociedade espera e outra que vive a frustração de não conseguir libertar aquilo que é e que pretende ser, mas digo-lhe que, é precisamente nessa “parte” que reside a sua verdadeira identidade.
 
Estamos em conformidade com o que somos e sentimos quando conseguimos libertar aquilo que queremos e de que gostamos e, deixamos de nos preocupar com o que esperam de nós. A nossa competência enquanto pessoas reside aí. É nessa aceitação pessoal que estão os bons pais e as boas mães, as pessoas assumidas, resolvidas e felizes, os bons profissionais, os bons especialistas, os bons maridos e as boas esposas, os melhores companheiros de vida.
 
É como se quando nascemos ficássemos reféns daquilo que a sociedade nos incute e exige e, à medida em que vamos amadurecendo vamos libertando e percebendo quem realmente somos, sem essas pressões e expectativas sobre nós.
 
É como se por algum tempo, nos tivéssemos de afastar de toda a carga que nos é transmitida social e familiarmente, para podermos dar espaço à leitura daquilo que temos inscrito dentro de nós.
 
É o personagem de um filme e a pessoa na vida real e, quanto mais aceitarmos que somos muito diferentes daquilo que julgávamos, mais livres e felizes seremos, pois estamos a agir em vez de esperarmos que vivam a nossa vida por nós. Deixamos de usar uma procuração para nos representar e passamos a mostrar a nossa verdadeira identidade, aquela que se resume no cartão de cidadão para a sociedade, mas que é uma cédula pessoal dentro de casa.
 
À medida em que vamos deixando de representar papéis, vamo-nos libertando das máscaras; desses pesos que nos angustiam e deprimem. No fundo, entramos em depressão porque estamos sempre a lutar contra uma pessoa ativa e feliz que não é aceite pela sociedade. Estamos sempre a atrofiar essa nossa essência pelo medo da rejeição e acabamos por nos rejeitar a nós mesmos.
 
Entregamos o nosso casamento ao outro, como se sozinho alguém tivesse o direito de decidir por nós, deixamos que o patrão nos diga o que é preciso fazer porque não temos iniciativa para perceber o que é esperado de nós, entregamos a educação dos nossos filhos à escola e aos avós, como se não fossemos capazes de coordenar bem a nossa vida e dar resposta a essa responsabilidade e, o tempo vai passando e a angústia crescendo.
 
Quando digo que temos de ser mais competentes é isso mesmo: é começar hoje a assumir a nossa responsabilidade perante nós mesmos e a vida. É sermos capazes de dizermos a nós mesmos quem somos, aquilo de que gostamos e queremos sem medo que os outros nos julguem ou digam o que pensam sobre nós. Quando sabemos quem realmente somos e o que queremos, tudo se torna mais claro e fácil.
 
Sabemos o que fazemos num relacionamento, o valor da nossa profissão, a importância que temos na educação dos nossos filhos, o que somos capazes de desenvolver nas mais variadas situações em que participamos. Este é o lado da nossa consciência pessoal, aquele que nos diferencia dos outros e que nos permite assumir tal como somos.
 
É sair de casa como nos apetece e ser apenas cívico e educado, pois os sentimentos são da nossa inteira responsabilidade.
 
É conhecer as regras de boa convivência social, mas desfrutar do prazer de estar com quem nos faz sentido. É saber a razão de procurar uma pessoa em vez de outra, é sabermos por que preferimos um local a outro, é conhecermo-nos de tal forma que somos capazes de argumentar a razão pela qual lemos um livro em vez de estarmos ligados às redes sociais. É sermos capazes de respeitar as escolhas dos outros porque somos capazes de validar o respeito por nós próprios.
 
Isto é liberdade em troca dela. É não nos preocuparmos com a vida alheia, mas sabermos que aprendemos com os exemplos dos outros, por isso estamos atentos ao que se passa à nossa volta.
 
Penso que, quando conseguimos aceitar-nos, assumir-nos e respeitar-nos, não nos preocupamos com as diferenças dos outros e somos capazes de respeitar cada um na sua posição.
 
Para sermos mais competentes, temos de ser mais conscientes e assumirmos o que sabemos. Não podemos passar a vida a fazer-nos de tolinhos só por que somos melhor aceites dizendo que não sabemos o que se passa à nossa volta.
 
Sabemos, mas não queremos fazer o mesmo. Conhecemos, mas não gostamos. Gostamos e assumimo-nos tal como somos! Esta é a base para tudo na vida, sobretudo para se sentir bem consigo mesmo e cada vez mais feliz, amado e respeitado.
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86639)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36486)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(16768)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13026)

Não podemos viver sem amor

(11571)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10037)

A mentira: um mal necessário

(8697)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8499)

Idade não traduz maturidade

(8169)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7796)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7758)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(6890)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5279)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5190)

É Demissexual?

(4965)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4944)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4747)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4350)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4263)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4243)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4187)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4093)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4091)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4064)

O poder das ervas aromáticas

(4017)

A “ciência” do aperto de mão

(3981)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3848)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3835)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3765)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3732)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3709)

A família é a base do sucesso escolar

(3707)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3688)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3677)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3664)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3658)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3653)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3613)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3559)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3510)

O que muda na mulher aos 40?

(3471)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3464)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3378)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3292)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3259)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3226)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3199)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3177)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3158)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3156)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Faro é um dos cinco concelhos a nível nacional com mais poder de compra per capita

Faro é um dos cinco concelhos a nível nacional com mais poder de compra per capita

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Odeleite volta a ter presépio vivo com mais de meia centena de figurantes

Odeleite volta a ter presépio vivo com mais de meia centena de figurantes

ver mais
 
Deputado Cristovão Norte refere que eletrificação da Linha do Algarve «é uma miragem»

Deputado Cristovão Norte refere que eletrificação da Linha do Algarve «é uma miragem»

ver mais
 
Portimão International Dance Festival junta os melhores cem pares de dez países

Portimão International Dance Festival junta os melhores cem pares de dez países

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio