Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Como manter a fidelidade num relacionamento?
Imprimir Partilhar por email
Numa sociedade envolta em centros de interesse, onde se confunde o público com o privado, onde quase tudo nos é acessível a partir de um clique, torna-se difícil acreditar numa relação baseada em bons valores e, sobretudo na fidelidade, ainda assim, os especialistas não têm dúvidas de que esse valor só se conquista com naturalidade e simplicidade.
 
Se começarmos um relacionamento a duvidar da fidelidade da outra pessoa, certamente que vamos ter sempre esse motivo para nos impedir de sermos felizes, se pelo contrário, formos mais descontraídos, se acreditarmos nas nossas qualidades e que a outra pessoa está connosco porque quer construir um projeto de vida em comum, mais facilmente vamos viver uma relação estável e duradoura.
 
É certo que se torna fácil trair numa sociedade cheia de estímulos e que nos leva a despertar cada vez mais para essa ideia, no entanto, dentro de cada um de nós, existe o desejo de viver uma relação saudável, que nos preencha e onde possamos ver a felicidade do outro espelhada nas suas atitudes.
 
Quando somos capazes de dar e de receber, não precisamos de andar preocupados com as chamadas da nossa parceria amorosa, muito menos com os “gostos” que coloca nas redes sociais e ainda menos com as pessoas que cumprimenta na rua.
 
Um casal constitui-se por duas pessoas, dois seres que têm as suas características, qualidades positivas e negativas. Quanto maior for o entendimento e a compreensão entre ambos, menor será “a tentação” de trair, pois só procuramos no exterior aquilo que não temos dentro do nosso relacionamento.
 
Ao mesmo tempo, é importante ter em conta que, ou a pessoa decide viver essa relação em pleno ou não. Se estiver contrariada ou forçada, se não acreditar num plano de vida em conjunto, não vale a pena fazer evoluir os contactos íntimos com essa pessoa, pois mais cedo ou mais tarde, ela acabará por nos substituir. É essencial que, desde o namoro saibamos perceber até que ponto estamos interessados nessa relação e o outro também está e, isso consegue-se perceber através da nossa inteligência amorosa. Quando nos sentimos bem com outra pessoa, normalmente ela também está feliz ao nosso lado. Quando fazemos os mais variados programas e existe essa disponibilidade e encontro de interesses em comum, por norma a relação está a fluir num bom sentido. Quando há interesse em comunicar, em abrir o nosso coração ao outro, naturalmente que ambas as partes estão empenhadas no relacionamento.
 
É fundamental ter em conta que, muito mais que termos os nossos “alarmes” todos apontados para nos protegermos das novas tendências da sociedade e da ideia de que a fidelidade já não existe, temos sim de nos concentrar na pessoa que temos ao nosso lado, temos de ter interesse no seu percurso, nos seus planos e mostrar também o nosso lado. Quando ambas as partes estão disponíveis, a relação flui naturalmente e, aos poucos, vão surgindo cada vez mais pontos em comum, uma vez que, os dois querem fazer evoluir a sua convivência e aumentar os seus níveis de bem-estar em conjunto.
 
Claro que quando percebemos que a outra pessoa arranja desculpas para não estar connosco, quando está mais ligada a jogos e a ligações virtuais, quando “anda atrás” de outras pessoas, quando nos provoca, humilha, tenta agredir e trata mal, naturalmente que não podemos esperar uma relação saudável e baseada na fidelidade.
 
O desafio é colocar os sentidos a funcionar. É não ter medo de sentir o outro, mesmo que seja para ter de assumir que aquela pessoa não gosta de nós. Pode ser doloroso ter de aceitar isso, mas é preferível a estar constantemente com a sensação de que o outro se vai embora a qualquer momento e que temos de fazer o impossível para que fique.
 
Prender alguém não o torna fiel, tal como fazer-lhe todas as vontades não o prende a nós. O segredo é sermos o mais naturais possível para conseguirmos orientar-nos pelos nossos sentimentos. Aí é que está a chave! Sentir o outro, perceber até que ponto está connosco porque quer ou por algum outro motivo. O diálogo também facilita e muito o decurso de uma relação, já que a comunicação que se partilha espelha bem aquilo que ambos pensam e o que estão a sentir.
 
Uma pessoa com uma boa autoestima não aceita estar numa relação “em part-time”, por isso procura conhecer melhor o outro e mostrar-se também. Não tem medo de assumir os seus sentimentos, muito menos está preocupada com o fim da relação, pois sabe que, enquanto for agradável para os dois, certamente que a mesma vai continuar. Em contrapartida, investe o seu tempo, energia e amor nessa pessoa, enquanto que recebe o mesmo do outro. A pessoa com autoestima sabe o valor da empatia e o quanto as pessoas se conhecem quando há essa disponibilidade, por isso estão seguras e tranquilas e, isso dá a mesma confiança ao outro em relação a nós.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87381)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37134)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19176)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13980)

Não podemos viver sem amor

(11986)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10983)

A mentira: um mal necessário

(9146)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9041)

Idade não traduz maturidade

(8825)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8328)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8277)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8005)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6795)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5713)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5595)

É Demissexual?

(5342)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5292)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5141)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5096)

A “ciência” do aperto de mão

(4711)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4705)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4664)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4647)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4522)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4471)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4456)

O poder das ervas aromáticas

(4426)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4336)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4236)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4222)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4166)

A família é a base do sucesso escolar

(4122)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4050)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4044)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4042)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4017)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4016)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4006)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3989)

O que muda na mulher aos 40?

(3942)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3841)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3815)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3735)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3635)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3631)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3617)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3608)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3549)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3526)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3524)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Covid.19: 4º óbito no Algarve registado no Hospital de Portimão

Covid.19: 4º óbito no Algarve registado no Hospital de Portimão

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Há 16 profissionais de saúde infetados no Algarve

Há 16 profissionais de saúde infetados no Algarve

ver mais
 
Município de Silves prorroga encerramento dos serviços e suspensão de prazos processuais

Município de Silves prorroga encerramento dos serviços e suspensão de prazos processuais

ver mais
 
Comércio de Albufeira não vai pagar taxas de publicidade nos próximos três meses

Comércio de Albufeira não vai pagar taxas de publicidade nos próximos três meses

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio