H

Cuidado com o sal! Um terço dos portugueses sofre de hipertensão

 
No dia em que se assinala a data comemorativa, faz sentido reforçar os perigos inerentes à hipertensão arterial (HTA) que ganha expressão no nosso país.

 
De acordo com os dados mais recentes, em Portugal, cerca de três milhões de pessoas são hipertensas e a maioria das quais não tem a tensão arterial controlada, o que pode resultar em complicações graves como o AVC ou o enfarte agudo do miocárdio. No dia mundial da hipertensão, os especialistas recordam um imperativo diário: ter mais cuidado com a alimentação para uma melhoria na qualidade de vida.
 
O sal continua a estar no topo das preocupações, uma vez que continua a ser usado em quantidades muito acima da média. Para combater este hábito, deve-se evitar/reduzir ao máximo, o sal como tempero. 
 
Como alternativa, deve-se apostar em ervas aromáticas e no sumo do limão que, para além de ingredientes mais saudáveis, conferem um toque saboroso aos alimentos. É de evitar (ao máximo), os produtos enlatados e todos os que tenham adição de sal na sua confeção como é o caso dos enchidos e produtos industrializados.
 
Consumir água ao longo do dia também é uma medida preventiva, tal como combater o sedentarismo. Neste caso, a opção por exercícios leves é sempre uma excelente opção para quem tem antecedentes de hipertensão familiar.
 
Estudos comprovam que a dança, a natação e a marcha/caminhada, são excelentes opções para a manutenção da saúde e controlo da tensão arterial.
 
Salvo restrição médica, um adulto deve praticar 2h30 de exercício semanal. Deve-se ter em conta que o excesso também é prejudicial à saúde, pois aumenta o esforço cardíaco.
 
Um adulto saudável deve medir a tensão pelo menos uma vez por ano, já que se trata de uma doença silenciosa e sem sintomas nos primeiros anos, mas que, quando é detetada, já acarreta algum tipo de prejuízo para a saúde.
 
Em casos de antecedentes familiares, a vigilância deve ser mais apertada e regular, pois na maioria das situações, é perante um cenário de AVC ou enfarte que se conhecem os problemas associados à hipertensão.
 
Note-se que, por se tratar de uma doença com poucos sintomas, muitas vezes as consequências são gravosas devido à falta de prevenção. O indivíduo considera-se saudável e acaba por não controlar a tensão arterial, o que é um erro.
 
Perante sinais de tonturas, hemorragias nasais; dores de cabeça, deve manter-se a vigilância médica.
 
Como tratar a hipertensão: Num primeiro passo, está provado que mudar alguns hábitos de vida é muitas vezes suficiente para baixar os níveis da pressão arterial. Isso passa por:
 
Restringir o sal;
Comer frutas, legumes e saladas
Praticar mais exercício físico;
Evitar álcool;
Reduzir o stress;
Perder peso (em caso de excesso).
 
2.ª medida: Tratamento com fármacos
 
Quando o tratamento sem fármacos não é suficiente, deve então recorrer-se aos fármacos. Estes devem ser prescritos pelo médico, segundo as características de cada paciente.
 
Consequências da HTA:
 
1. Hipertrofia do coração (aumento do volume)
Diminuição do fluxo sanguíneo ao coração
Angina de peito e Insuficiência coronária
O coração tem dificuldade em bombear sangue a todos os tecidos do organismo
O coração torna-se mais frágil, surgem arritmias e insuficiência cardíaca
 
2. Deterioração das paredes das artérias 
Aumenta o risco de aterosclerose e trombose (formação de coágulos)
Nos casos mais graves, podem dar-se aneurismas e hemorragias cerebrais, devido ao enfraquecimento das paredes das artérias.